Páginas

segunda-feira, julho 20, 2015

O filho caçula

Cheguei pequenininho, tinha apenas dois meses. Não compreendia direito o que acontecia no momento, somente olhava curioso toda a movimentação. Fui entregue a outros braços, que me acolheram com firmeza e carinho. Pela primeira vez, em meus 60 dias de vida, me senti seguro e amado.

Quando cheguei ao meu novo lar, meu corpo coçava. Tempos depois descobri que aquela coceira insuportável era sarna. Passaram a me dar banho gelado diariamente até eu ficar com a pele curada. Após o banho, uma toalha bem macia me abraçava e uma roupa bem bonita me deixava quentinho.

Um berço azul novinho foi comprado para eu dormir em segurança. Ali, no meu pequeno espaço, sonhei meus primeiros sonhos felizes e engraçados. Muitos rostos vinham me visitar. Ganhei tantos presentes que o guarda roupa ficou lotado.

Que ambiente maravilhoso! Bem melhor que meus dias em meio ao canavial, desprotegido e refém dos insetos que não me perdoavam. Passava horas exposto ao calor, suando e chorando.

Sobrevivi no ventre e resisti desde que nasci. Lutei sem saber que lutava. As feridas em meu corpo não foram suficientes para me levar deste planeta, nem mesmo o desamparo conseguiu empedrar meu coraçãozinho.

Hoje é um dia especial, estou completando meu primeiro aninho de vida. Todos em casa estão muito felizes. Na minha festinha há bolo, refrigerante, pão com carne e brigadeiro. Músicas  animadas também estão tocando.

Quero viver muitos anos e brincar bastante, crescer saudável, me apaixonar, trabalhar, estudar e aproveitar ao máximo a dádiva de estar vivo. Sei que minha história não é tão simples. Terei que perdoar, amar e não deixar que o medo e a mágoa me dominem.

Contudo, no momento, o desejo que explode em meu interior é o de aprender a falar, para agradecer todo o amor que recebi dos meus pais, que me escolheram para ser o filho caçula da família.

8 comentários:

  1. "Nem mesmo o desamparo conseguiu empedrar meu coraçãozinho."

    Quase não dá pra acreditar que isso pode estar acontecendo, agora, de baixo de nosso nariz.

    ResponderExcluir
  2. "Aquele que dá testemunho destas coisas diz: "Sim, venho em breve!" Amém. Vem, Senhor Jesus!" Ap 22:20

    ResponderExcluir
  3. Parabéns... Muito loko a história.

    ResponderExcluir
  4. Muito me faz lembrar seu pai, que nos contava estórias maravilhosas que nos fazia crescer...
    Linda mensagem, parabens e continue ai, fazendo vidas valer a pena!

    ResponderExcluir