Páginas

sábado, junho 27, 2015

Revolta

É a revolta,
negra, branca, amarela
de todos que se cansaram de olhar
sentados no sofá
a bandeira tremular, da esquerda pra direita
da direita pra esquerda, 
sem nada mudar.
É a revolta,
de quem é esquema dos de gravata
que arquitetaram um sistema ideal
pra matar ideais
prometendo uma tal de paz
em notas de reais.
É a revolta,
de quem não se conformou
e não aceitou a pregação do pastor
que diz: os bens valem mais que o amor.
É a revolta,
de quem cansou de ser contato
e prefere ser amigo e receber abraço.
É a revolta
dos que foram traídos e apedrejados
abandonados e crucificados
mas que jamais se curvaram 
diante da espada afiada.
É a revolta,
dos clandestinos, camponeses e palestinos
que não perderam a identidade
em meio ao fogo inimigo.

6 comentários:

  1. Mandou muito bem em cada palavra.

    ResponderExcluir
  2. Você manda muito! Parabéns

    ResponderExcluir
  3. Esse é o primeiro que leio do Marquinhos e fico uma sensação de poderia falar mais ou explorar mais a suas ideias.
    Mas talvez seja REVOLTA comigo mesmo, esperando isso de mim.
    Aê é #tudoNossoNadaDeles

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, parabéns!!!

    ResponderExcluir